Pages Menu
Categories Menu
Maradona, um ídolo do… Granada

Maradona, um ídolo do… Granada



*Colaborou Leandro Paulo Bernardo

Maradona, grande ídolo de Boca Juniors (ARG), Napoli (ITA) e Granada (ESP), nascia no dia 30 de outubro de 1960. Sim, amigos, ídolo do Granada. Diego atuou em outra equipe espanhola – além de Barcelona e Sevilla – e em pleno auge da carreira, tudo para promover a estreia do irmão Raul “Lalo” Maradona na equipe da Andaluzia.

No dia 15 de novembro de 1987, o Granada jogou uma partida amistosa contra o Malmöe, vice-campeão sueco na época. O Granada estava disputando a segunda divisão espanhola e adquiriu o passe de “Lalo” Maradona por 20 milhões de pesetas para três anos de contrato. Em uma estratégia de marketing ousada – impraticável na atualidade – havia uma cláusula que indicava a presença dos dois irmãos de “Lalo” na estreia.

Como o Napoli estava prestes a enfrentar o Real Madrid pela Copa dos Campeões, Diego Maradona exigiu que o Granada marcasse um amistoso com qualquer equipe que não tivesse espanhóis no elenco. Assim, o Malmöe foi o escolhido para o amistoso e recebendo um quantia de cinco milhões de pesetas.

Hugo “Turco” Maradona tinha 18 anos, havia sido contratado pelo Ascoli e formaria a dupla de ataque com o brasileiro Casagrande. Seria fácil imaginar a presença dele naquele amistoso. Enquanto isso, contar com Diego Maradona era algo inimaginável para os torcedores de qualquer clube pequeno na época, já que era indiscutivelmente o maior jogador em atividade no mundo. Havia conquistado a Copa do Mundo pela Argentina e o primeiro scudetto do Napoli.

 

IMG-20171029-WA0006

Lalo, Turco e Diego (Crédito: arquivo pessoal)

 

Os ingressos para aquela tarde mágica custaram entre 1.500 e 3.000 pesetas. Para evitar desgaste jurídicos com o Napoli, Diego usou uma camisa com numero nove sem patrocínio, porém, a faixa de capitão era dele. Declarou que era um sonho poder jogar uma partida com seus irmãos e que adorou a iniciativa do Granada.

Lalo e Hugo chegaram em um voo privado no dia anterior ao jogo, com cerca de quinze familiares. Lalo tinha 21 anos e havia jogado nas categorias de base do Boca Juniors, mas com poucas chances na equipe principal.

Na época, o Malmöe era treinado pelo jovem inglês Roy Hodgson, futuro treinador da seleção suíça e inglesa, e queria recuperar a hegemonia no futebol escandinavo. Havia sido a primeira equipe da região a chegar em uma final de competição europeia, mas o rival Gotemburgo era o atual campeão sueco e da Copa da UEFA.

Naquela temporada, o Malmöe lançou três jovens promessas com menos de 18 anos: o zagueiro Patrik Andersson, o meia Stefan Schwarz e o atacante Martin Dahlin. Filho de um músico venezuelano com uma psicóloga sueca, Dahlin teve naquela partida a primeira experiência em jogos internacionais.

As duas equipes foram escaladas da seguinte maneira:

GRANADA: Toni, Salva, Choya (Victor), Lina e Pedro. Leo, Delgado (Manolo) e Ramón (Espejo). Hugo, Diego e Lalo. Treinador: Joaquín Peiró.

MALMÖE: Fedel, P.Jonsson, Larsson, Andersson e Agren. Eminovski, K.Jonsson, Schwarz. Martin Dahlin, Palmer e Harryson (Johansson). Treinador: Roy Hodgson.

Apesar de ser um amistoso, os jogadores travaram um bom espetáculo. O baixinho meia Anders Palmér abriu o placar marcando de cabeça. Após um lindo passe de Diego, Lalo tocou na saída do goleiro e empatou a partida.

Na segunda etapa, Johansson só tocou para o gol depois de uma linda jogada de Dahlin. Diego Maradona empatou após linda cobrança de falta. Manolo, o verdadeiro camisa nove do Granada, marcou o gol da vitória da equipe espanhola.

 

 

Com a venda dos ingressos e dos direitos de transmissão para um canal de televisão de Barcelona, o Granada lucrou 25 milhões de pesetas. Ou seja, com aquela partida pagou a equipe sueca e o passe de Lalo.

Ao final daquela temporada, o Malmöe foi campeão sueco e o Granada acabou rebaixado para a terceira divisão espanhola. Martin Dahlin foi o artilheiro do campeonato sueco com 17 gols e, em um amistoso contra o Brasil no dia 31 julho de 1988, tornou-se o primeiro negro a jogar por uma seleção escandinava. Anders Palmér também esteve nesse jogo. Em 1991, o Malmöe vendeu Dahlin e Schwarz, que posteriormente obtiveram relativo sucesso em clubes europeus.

Em 1995, assisti ao meu primeiro jogo do campeonato alemão: Borussia Mönchengladbach e Colônia, pela TV Record. Dahlin e Patrik Andersson estavam no Borussia, Casagrande era o comentarista e o narrador inexperiente recorreu três vezes ao Casão para que fosse pronunciado corretamente o nome da equipe mandante. Dahlin era considerado um dos melhores atacantes do mundo após a Copa de 1994.

 

IMG-20171029-WA0007

Martin Dahlin (Crédito: arquivo pessoal)

 

Hugo foi eleito o pior estrangeiro do campeonato italiano na temporada 1987/88, mas conseguiu ser negociado com o Rayo Vallecano, onde atuou por três temporadas. Lalo foi jogar no Japão em 1989 e depois, assim como Hugo, perambulou por clubes da América Latina.

Em janeiro de 1996, Luciano do Valle promoveu um campeonato de futebol society em Recife e trouxe Lalo para defender a seleção argentina. Acabou sendo o craque do torneio e a imprensa pernambucana especulou que ele poderia jogar por um dos três grandes do estado. Torci muito para ele ir para o Santa Cruz… Mas aí ficou só no sonho ou uma próxima crônica.

Diego Maradona perderia, por um curto período, o reinado na Itália para o Milan de Gullit e Van Basten. Foi Rei em Nápoles, para alguns argentinos é um Deus e para o futebol é imortal. Parabéns, Diego Armando Maradona.

* Leandro Paulo Bernardo – Cirurgião-Dentista, apaixonado por futebol, literatura e música desde os quatro anos, e com o coração dividido entre o Santa Cruz e a Portuguesa