Pages Menu
Categories Menu
A série invicta da Lusa no Canindé, que durou de Dener a McLaren

A série invicta da Lusa no Canindé, que durou de Dener a McLaren



Por muitos anos, os adversários temiam ter de enfrentar a Portuguesa no estádio do Canindé. A história guarda diversas séries invictas da Rubro-Verde, sempre difícil de derrotar.

A principal sequência de jogos sem derrota começou em 1993 e durou praticamente dois anos. Foram nada menos do que 37 partidas seguidas em que ninguém conseguia bater a Lusa.

Aquela série invicta começou no dia 22 de setembro de 1993, quando a Portuguesa venceu o Atlético-PR por 2 a 0 em um confronto válido pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro.

Na época, a Lusa era comandada pelo técnico Pepe. No time, despontavam revelações como os atacantes Bentinho e Dener. Aliás, uma das principais duplas de frente da história lusitana.

O artilheiro que se tornou a sensação daquele jogo, porém, foi outro. Coube ao centroavante Paulinho Koabayashi marcar os dois gols que garantiram aquela vitória à Portuguesa.

A Rubro-Verde foi a campo com Márcio Defendi, Paulinho Goiano, Geraldão, Souza, Charles, Capitão, Fernando Henrique, Paulinho Kobayashi, Dener, Bentinho e Maurício.

A sequência invicta só terminou no dia 22 de abril de 1995, quando a Portuguesa foi derrotada pelo Santos por 2 a 1 em uma partida válida pelo segundo turno do Campeonato Paulista.

Na ocasião, o time já era comandado pelo técnico Candinho. Curiosamente, o gol da Lusa foi marcado por um jogador que esteve em todo o período de invencibilidade: Bentinho.

O time já tinha nomes que seriam importantes na histórica campanha do vice-campeonato brasileiro de 1996, como Zé Roberto, Zinho e Capitão. Além, claro, de dois goleadores.

O ataque contava com Paulinho McLaren e Flávio Guarujá. Naquela partida, a Portuguesa chegou a abrir o placar, mas tomou a virada ainda no primeiro tempo.

O time foi a campo com Paulo César, Edinho, Jorginho, Ildo, Zé Roberto, Capitão, Norberto, Betinho, Zinho, Paulinho Mclaren e Flávio Guarujá. Era o fim da principal série invicta no Canindé.